sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Copa das Copas da Dilma derruba a indústria e pode gerar desemprego.

A produção industrial brasileira caiu 6,9% em junho na comparação com junho de 2013. Esse foi o resultado negativo mais intenso desde setembro de 2009 neste tipo de comparação, quando o recuo havia sido de 7,4%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O órgão ainda destacou que este é o quarto resultado negativo consecutivo nesta base de comparação.

Em todas as bases de comparação, os resultados negativos foram puxados pelo desempenho do setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que apresentou queda de 36,3% em junho na comparação com junho de 2013; recuo de 12,1% em junho na comparação com maio e baixa de 16,9% no primeiro semestre na comparação com o mesmo período de 2013.

A Copa do Mundo, afirma o IBGE, influenciou a forte queda do indicador em junho, em função do menor número de dias trabalhados e das jornadas reduzidas. "A magnitude da queda tem relação direta com menor número de dias trabalhados, redução da jornada de trabalho, férias coletivas, cortes de turnos de trabalho, que ficaram como uma marca do mês de junho. E o evento Copa do Mundo tem relação com esses fatores", disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. Segundo ele, não apenas os jogos do Brasil prejudicaram a indústria, mas o "simples fato de haver várias cidades recebendo jogos", o que aumentou o número de feriados. 

Mas o movimento de queda não fica restrito ao mês de junho, ressaltou Macedo. Ele observou que o recuo anunciado hoje foi o quarto dado negativo consecutivo na margem. "O perfil de queda ritmo de produção é algo que não é característico só desse mês", disse. "Foi em outubro de 2013 que começou o ritmo de queda maior da produção. A Copa potencializou", acrescentou.

A taxa acumulada em 12 meses atingiu queda de 0,6% em junho, o primeiro resultado negativo desde março do ano passado, quando estava com queda de 0,9%. Segundo o IBGE, o resultado mostrou "clara perda de ritmo" em relação aos resultados da taxa acumulada em 12 meses verificados em março (2,0%), abril (0,7%) e maio (0,2%). 

No mês, a produção industrial recuou 1,4% em junho ante maio, o resultado negativo mais intenso desde dezembro de 2013, quando a queda foi de 3,6% em relação a novembro do ano passado. E, pelo quarto mês seguido, o indicador mensal também apresenta resultados negativos. No acumulado no primeiro semestre de 2014, a produção da indústria registra queda de 2,6% ante o mesmo período do ano passado. (Estadão)

Pai de Lulinha diz que "governo não pode beneficiar família". Não pode mesmo. E não sendo da família, então, não é Rose?

Hoje Lula mandou um indireta maldosa contra Aécio Neves, sobre o dossiê Aeroporto plantado pelo PT na Folha. Disse que governante não pode beneficiar a família com recursos públicos. Lula fez uma lei para que a Oi pudesse comprar a Telemar. Mais: mudou um marco regulatório. Seu filho, casualmente, recebeu R$ 15 milhões da Telemar para montar uma empresa de joguinhos eletrônicos. Que gracinha! Ficou conhecido como Lulinha Telemar. Além disso, Lula foi parceirão da sua secretária de gabinete presidencial em São Paulo, a famosa arrasa ANAC e ANA, Rosemary Noronha. Lula nunca falou do caso do caso. Rose, a corrupta que mandava prender e mandava soltar usando o nome do Lula, foi demitida e está sendo processada um sem número de vezes, por tráfico de influência. Influência junto a Lula. Lula tem um Ronaldinho e tem uma Rose no armário. Lula calado é um poeta. Lula mostrando o batom na cueca é uma piada.

Voto cínico de uma ministra do TSE absolve Dilma e Mercadante.

Ministra Maria Thereza de Assis Mouro já deve estar em campanha pela indicação para o STF. Na última oportunidade em que isto ocorreu, foi derrotada por Rosa Weber.

O que abaixo é exatamente como está escrito no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e comenta o voto da ministra Maria Thereza de Assis Moura, sobre o pronunciamento de Dilma Rousseff no Dia Internacional da Mulher e sobre uma entrevista concedida dentro do Palácio do Planalto, por Aloísio Mercante.

Apesar de multar em seu voto o ministro Aloizio Mercadante por propaganda eleitoral antecipada, a relatora do caso, ministra Maria Thereza de Assis Moura (foto), rejeitou o argumento de conduta vedada por considerar que “não houve efetivo uso do serviço público”. Isso porque o local da entrevista é inerente ao cargo que ele ocupa, uma vez que aquele é o seu domicílio profissional. Segundo ela, não é proibida a utilização daquele espaço, inclusive porque o ministro se ateve às funções como chefe da Casa Civil.

Em relação à propaganda antecipada, a ministra afirmou que, em sua fala, Mercadante fez uma análise crítica e comparativa com o governo anterior e os temas do discurso destoaram do motivo da convocação da coletiva e se mostraram de “nítido caráter eleitoreiro em período vedado por lei”. Portanto, a relatora julgou parcialmente procedente a representação para aplicar multa de R$ 7,5 mil ao ministro.

Em relação à presidente Dilma Rousseff, a ministra afirmou que ela não pode ser multada neste caso porque não ficou comprovado o prévio conhecimento da irregularidade. O voto da relatora foi acompanhado pelos demais integrantes da Corte, com exceção do ministro Henrique Neves, que ficou vencido. Ele acrescentava em seu voto mais uma multa de R$ 7,5 mil, totalizando R$ 15 mil. Para ele, houve, além da propaganda eleitoral antecipada, conduta vedada a agente público por uso do serviço público.

Quer dizer que prédio público deixa de ser público se o criminoso trabalha lá dentro? Quer dizer que Dilma não tinha conhecimento da legislação eleitoral quando fez o pronunciamento? Ora, ministra, deixa de ser cínica! O que Mercadante e Dilma sempre souberam é do seu voto e do voto da maioria dos seus pares neste Tribunal Superior Eleitoral aparelhado!

O VOTO DE GILMAR MENDES

Voto vencido no caso do pronunciamento do Dia da Mulher, o ministro Gilmar Mendes fez fortes críticas ao próprio tribunal, afirmando que houve "notória promoção pessoal" de Dilma no episódio e dizendo considerar baixa a multa máxima de R$ 25 mil nesses casos. Mendes afirmou que cabe ao TSE romper essa prática, que, segundo ele, ocorreu também em 2010, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria inaugurado até "buraco" em São Paulo para promover Dilma, então candidata à sua sucessão.

Dilma mente mais do que Lula.

http://www.blogdedaltroemerenciano.com.br/wp-content/uploads/2014/07/unm-dilma-cut-2.jpg
Só com militância paga a peso de imposto sindical...

Ontem, Dilma Rousseff, em meio aos seus apaniguados da Central Única dos Trabalhadores (CUT) disse que o Brasil vive a maior crise desde 1929. Uma enorme mentira, digna de Lula. Faltou dizer, como pode ser visto no post logo abaixo, que o Brasil sobrevive ao pior governo dos últimos 20 anos, que nos legou a maior inflação e o pior crescimento. Sorte da presidente que a plateia era formada pela "cumpanherada" da CUT, porque se fosse formada por brasileiros de verdade levaria ovos e tomates pela cara. Aliás, é por isso que ela não sai às ruas.

Foto do comentarista econômico Sardemberg, da Globo News, que faz sucesso na web. Coronel postou e disse no twitter: " isso não é foto, é autópsia!" A foto comprova que Dilma é a maior mentirosa em crise desde 1947...

Governo Dilma: a pior inflação e o pior crescimento em 20 anos.

 Ao finalizar seu mandato neste ano, a presidente Dilma Rousseff vai interromper a trajetória de desaceleração da inflação que marcou a virada dos quatro governos anteriores, ao mesmo tempo em que entregará a pior taxa média de crescimento da economia nos últimos 20 anos. 

De acordo com especialistas consultados pela Reuters, essas duas marcas são fruto de erros de avaliação da situação econômica, mantendo o estímulo à atividade via consumo --uma das principais marcas de seu antecessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em seu segundo mandato-- aliado à demora em incentivar os investimentos. 

A saída para esta espiral já foi detectada, via importantes concessões públicas de infraestrura, mas é preciso que o caminho seja mantido daqui para frente por quem estiver à frente da Presidência da República em janeiro. "Houve um erro de estratégia. Demorou muito para perceber que o consumo estava perdendo força para impulsionar a economia... Não se conseguiu articular a queda do consumo com recuperação do investimento", avaliou o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos conselheiros econômicos da presidente Dilma. 

O primeiro governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-1998) acumulou inflação medida pelo IPCA de 43,46 por cento. Esse número foi caindo até que Lula encerrou seu segundo mandato, em 2010, com alta de preços acumulada de 22,21 por cento. 

Se a projeção do Banco Central de IPCA de 6,4 por cento neste ano se concretizar, Dilma vai interromper essa sequência de queda e terminar seu mandato com o indicador somando alta de 27 por cento em quatro anos. 

Quando o assunto é atividade econômica, os dados também não são animadores. Dilma deve entregar crescimento médio anual de 1,8 por cento em seu governo, se confirmada a expectativa do mercado de expansão de 0,9 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, segundo pesquisa Focus do BC. Quando recebeu a faixa de Lula, a taxa média havia sido de 4,6 por cento entre 2007 e 2010. O resultado da presidente será o pior contando os governos de FHC e de Lula. 

CONSUMO 

Mais medidas de incentivo ao consumo --como reduções tributárias para veículos e móveis-- em uma economia que já tinha uma taxa de desemprego baixa resultou em inflação alta, com a qual Dilma ainda tem que lidar às vésperas da eleição. Em junho, a alta acumulada em 12 meses do IPCA estourou o teto da meta do governo. "Quando a desaceleração econômica veio, e aí é o erro de política dela (Dilma), entendeu-se que havia falta de demanda, mas era falta de oferta. A reação foi com políticas monetária e fiscal extraordinariamente frouxas", destacou o ex-diretor do BC Alexandre Schwartsman. 

Foi em 2012, segundo ano do governo Dilma, que a taxa básica de juros atingiu o menor nível histórico de 7,25 por cento, importante fator de estímulo do consumo via barateamento dos empréstimos. Esse patamar, no entanto, não se sustentou por muito tempo e, no início do ano seguinte, começou a ser elevado para o atual nível de 11 por cento ao ano --acima dos 10,75 por cento que Dilma recebeu. 

Para os analistas, a correção do atual cenário passa invariavelmente pelo investimento em infraestrutura, destacadamente via concessões. Com isso, também conseguiria melhorar a confiança no país. As concessões foram uma aposta do atual mandato da presidente, mas o governo acabou enfrentando mais dificuldades do que imaginava, sem conseguir por exemplo fazer até agora leilão das ferrovias. Ainda existem muitas dúvidas por parte dos investidores sobre esses processos. 

Apesar disso, desde o ano passado o governo conseguiu leiloar seis lotes de rodovias e também foram concedidos à iniciativa privada seis aeroportos. "O Brasil entrou em uma fase em que para voltar a crescer precisa ter aumento de produtividade. Isso demanda tempo e investimentos. Então Dilma acertou no final do governo abrindo concessões", afirmou o ex-diretor do BC Carlos Thadeu de Freitas, hoje chefe da divisão econômica da Confederação Nacional do Comércio (CNC).(Estadão)

Não vote em branco. Não vote em vermelho.

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), vai anunciar na semana que vem sua adesão ao movimento #VempraUrna, uma campanha oficial do Tribunal Superior Eleitoral. O comando da candidatura do tucano avalia que as altas taxas de intenções de votos nulos e brancos nas pesquisas e as abstenções podem favorecer a reeleição da presidente Dilma Rousseff no primeiro turno.

Em um vídeo que será veiculado nas redes sociais de Aécio, o candidato vai comunicar seu apoio à campanha do TSE. Ao mesmo tempo, o PSDB passará a divulgar gravações produzidas pela equipe de marketing da candidatura tucana que fazem alusão à campanha oficial do tribunal. A peça partidária, porém, inclui sutilmente a ideia de "mudança", jamais contemplada na publicidade oficial da Justiça Eleitoral. 

Em um dos vídeos, o jingle diz: "Vem pra urna pra fazer a diferença, que mudança não acontece com indiferença" e "vem, Brasil, que esse país é cheio de beleza, que a gente não merece ter tristeza". 

O objetivo é tentar convencer o eleitor que está descrente da política. Conforme a mais recente pesquisa Ibope sobre a corrida presidencial, 25% dos eleitores não têm candidato ou pretendem votar nulo ou em branco. Em julho de 2010, também a pouco mais de três meses das eleições, essa taxa era bem menor, de 19%, de acordo com levantamento do mesmo instituto.

Desconhecimento. Tucanos atribuem o fato ao desinteresse por eleição especialmente dos jovens entre 16 e 24 anos e à chamada taxa de desconhecimento dos presidenciáveis de oposição. Se houver uma redução das taxas de abstenção e de votos nulos e brancos, a campanha do PSDB acredita que Aécio e outros oposicionistas serão os beneficiados, reforçando a possibilidade de segundo turno na disputa presidencial. 

No cenário de um 2.º turno entre Dilma e o tucano da mais recente pesquisa do Ibope, Aécio aparece com 33% das intenções de voto. A presidente tem 41%. No cenário do 1.º turno, Dilma tem 38% contra 22% do tucano. No material produzido pela equipe do presidenciável do PSDB não haverá nenhuma referência a candidatos ou a partidos políticos, dando um caráter suprapartidário. Aécio não vai aparecer nos materiais de divulgação e sua participação ficará restrita ao vídeo em que vai dizer publicamente que apoia a ação. 

Estão sendo produzidos videoclipes em ritmo de rock, samba, forró e xote. Além de jingle, cartoon, descanso de tela, template, panfletos e outros materiais gráficos, que serão distribuídos por militantes tucanos, entre blogueiros, nas redes do partido e para quem mais quiser ajudar a divulgar a ideia. 

A abstenção é outro fator determinante para que o candidato concentre o esforço de seus marqueteiros nesta ação eleitoral. Em 1998, o índice foi de 21,5%. No pleito de 2002, foi de 17,7%. Em 2006 o número atingiu 16,7%. E em 2010 a taxa de faltosos voltou a crescer, atingindo 18,1%. 

Rede social. Os vídeos não deverão ser veiculados no programa eleitoral gratuito de Aécio no rádio e na TV. A aposta é na divulgação por meio da página do Facebook da campanha. A página do candidato na rede social acaba de atingir 1 milhão de seguidores. O número foi comemorado pelo marketing do PSDB, mas internamente admite-se que a plataforma ainda está longe de obter protagonismo na campanha, pois o Brasil possui 142,8 milhões de eleitores, segundo o TSE.

TCU encontra problemas graves de qualidade nas principais obras de Dilma.


Minha Casa, Minha Vida, na Bahia.

O Tribunal de Contas da União (TCU) apontou falhas generalizadas na gestão de algumas das principais vitrines eleitorais do governo Dilma Rousseff. Em relatório concluído nesta semana, em que consolida o resultado de 23 auditorias pelo País, o tribunal concluiu que "há falhas que devem ser consideradas sob um prisma sistêmico, afetando diversos segmentos e com reflexos negativos sobre o desempenho e a qualidade da infraestrutura".

No documento, obtido pelo Estado, o TCU checou o desempenho da administração pública na condução de iniciativas como o programa Minha Casa Minha Vida, além da atuação de órgãos como a Infraero e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) à frente de projetos de grande porte. Paralelamente, o tribunal investigou como se desenrolaram as concessões realizadas nas áreas de energia, rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, entre outros projetos.

Foram analisados 44 processos de concessão. Nestes casos, afirma o TCU, predomina a falta de parâmetros para ajudar na elaboração de estudos técnicos mais confiáveis. Essa lacuna, aponta, fica mais evidente quando se trata de fazer previsões sobre custos das obras. Outra falha comum aos projetos de infraestrutura é a ausência de controle interno nos órgãos públicos responsáveis por acompanhar os empreendimentos, além da falta de padrão para medir a qualidade das execuções e o desempenho das empresas contratadas.

Projetos mal feitos. O TCU destaca, ainda, problemas como serviços de baixa qualidade, projetos mal feitos e deficiências de planejamento ao se referir ao programa Minha Casa Minha Vida e a obras portuárias. Outro exemplo de ineficiência são as unidades de pronto atendimento (UPAs 24h), ligadas ao Ministério da Saúde.

Entre janeiro e agosto de 2013, segundo o TCU, o governo havia repassado cerca de R$ 2 bilhões para construção, reforma e ampliação de 1.027 UPAs, além de um bancar um valor mensal para custeio do funcionamento das unidades. Ao fiscalizar a situação das UPAs em 11 localidades, os auditores encontraram problemas básicos como rachaduras e fissuras nas unidades, além de infiltrações e afundamentos de piso.

Energia. No setor elétrico, as avaliações se concentraram no desempenho do Ministério de Minas e Energia (MME), Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), durante as etapas de planejamento e execução de obras para garantir o suprimento de energia nas sedes da Copa.

"Alguns dos problemas como deficiências nos controles, inadequações na gestão de riscos e necessidade de aprimoramento da estrutura organizacional foram identificados em diversos trabalhos", afirma o TCU.

Em cada uma das auditorias, o tribunal faz recomendações e determinações para corrigir os problemas. O relatório consolidado foi enviado ao Ministério do Planejamento e à Casa Civil.

Procurados pelo Estado, os ministérios informaram que não comentariam o assunto, porque não tinham recebido o acórdão do TCU. Por meio de nota, o Ministério do Planejamento disse que, "em relação às auditorias do TCU de que o ministério tem conhecimento, é significativa a evolução dos resultados" e que "há dois anos não são constatadas irregularidades que recomendem paralisações em obras do PAC".

Falta São Paulo querer tirar o PT.


http://blogs.estadao.com.br/jt-politica/files/2011/08/alckmin_PPA.jpg
Alckmin lidera com folga, com 50% dos votos. Aécio alcança apenas 25%.

Pesquisas do Ibope divulgadas nesta quinta-feira (31) mostram a presidente Dilma Rousseff (PT) com dificuldades frente à candidatura do tucano Aécio Neves nos dois Estados com o maior número de eleitores no país, São Paulo e Minas Gerais. Em Pernambuco, onde Dilma venceu no segundo turno de 2010 com 75,6% dos votos, o eleitorado aparece dividido entre a presidente e o ex-governador do Estado, Eduardo Campos, que concorre à Presidência pelo PSB. Dilma, no entanto, lidera com folga no Rio, o terceiro maior colégio eleitoral.

As pesquisas do Ibope foram realizadas entre 26 e 28 de julho e têm margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos. Em São Paulo, Dilma aparece com 30% das intenções de voto. Aécio tem 25% e Campos, 6%. A petista e o tucano podem, portanto, estar empatados dentro da margem de erro no maior colégio eleitoral do Brasil, com 22,4% dos habilitados a votar.

Pesquisa Datafolha realizada nos dias 15 e 16 de julho mostrava Dilma e Aécio com 25% cada no Estado. Campos aparecia com 8%. Em São Paulo, Aécio tem como aliado o candidato a reeleição no Estado, o também tucano Geraldo Alckmin, que tinha 50% das intenções de voto na última pesquisa do Ibope. O candidato petista Alexandre Padilha aparecia com 5%.

Em Minas, que concentra o segundo maior número de eleitores no país (10,7%), Aécio lidera com 41%. O tucano governou o Estado duas vezes. Dilma aparece com 31% e Campos, com 5%. Os candidatos do PT e do PSDB ao governo de Minas, Fernando Pimentel e Pimenta da Veiga, respectivamente, aparecem empatados no Estado (considerando a margem de erro do Ibope), com 25% e 21%.

No Rio, Dilma abre grande vantagem sobre os opositores. No terceiro maior colégio eleitoral brasileiro (8,5% dos votantes), a presidente tem 35% das intenções de voto, ante 15% de Aécio e 5% de Eduardo Campos. Na disputa para governador no Rio, os dois melhores colocados na pesquisa do Ibope, Anthony Garotinho (PR), com 21%, e Marcello Crivella (PRB), com 16%, apoiam a presidente Dilma.

O Ibope também pesquisou as intenções de voto em Pernambuco, reduto de Campos, que governou o Estado duas vezes e de onde saiu candidato ao Planalto com altos índices de aprovação. Em 2010, as votações proporcionais de Dilma para presidente e de Campos para governador no Estado estiveram entre as maiores do país.

No confronto deste ano, os dois aparecem empatados em Pernambuco, considerando a margem de erro da pesquisa. Dilma tem 41% das intenções de voto e Campos aparece com 37%. Aécio Neves tem 6%. Pernambuco concentra 4,4% dos eleitores. Em termos nacionais, a mais recente pesquisa Ibope, divulgada no último dia 22, mostrava Dilma com 38% das intenções de voto. Em seguida, apareciam Aécio, com 22%, e Campos, com 8%.(Folha de São Paulo)

quinta-feira, 31 de julho de 2014

PT reconhece ligação do deputado com facção criminosa do PCC e decide pela expulsão. Pergunta: não tem mais gente?


A Executiva paulista do PT decidiu expulsar o deputado estadual Luiz Moura, acusado de ligação com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira, 31, 16 membros do partido entenderam que o deputado não havia se explicado de forma satisfatória sobre os indícios.

O presidente estadual do partido, Emídio de Souza, avaliou que a falta de provas contundentes de relações entre o deputado e membros da facção criminosa que age dentro e fora dos presídios paulistas não foi impedimento para a decisão.
Alexandre Padilha em campanha com Luiz Moura: da mesma facção  petista.

"Não somos o judiciário, não somos a polícia. Temos o direito e o dever de decidir e fiscalizar quem faz parte do nosso partido e quem o partido lança como candidato", disse Emídio. "A conduta de Luiz Moura foi muito prejudicial ao partido, arranhou a imagem", avaliou, ao explicar o motivo do afastamento.

A decisão pelo afastamento já estava tomada, conforme o Estado publicou na edição impressa desta quinta-feira. "Foi dada toda, toda a chance de defesa. Ele não compareceu hoje, não mandou documentos, não mandou testemunhas", completou Emídio. O presidente estadual explicou que, para a expulsão se confirmar, o diretório deverá confirmar a decisão da executiva. A reunião dos 62 membros do diretório está marcada para esta sexta-feira, 1º.

O advogado de Moura, João de Oliveira, contesta a expulsão. Diz que o deputado não havia sido notificado da reunião. "Um dos preceitos principais do Partido dos Trabalhadores é de combater a desigualdade. O que ele (Emídio) está fazendo é uma ilegalidade. O Moura não é indiciado por nada, é apenas suspeito", disse o advogado.

Oliveira fez mais críticas ao partido. "Dentro do próprio PT tem pessoas que foram condenadas e não tiveram o tratamento que o deputado Luiz Moura teve", disse, referindo-se aos condenados do mensalão.O advogado pretende recorrer da decisão na Justiça e dentro do próprio Partido dos Trabalhadores, mas não detalhou os instrumentos que vai usar.(Estadão)

Aécio elogia Joaquim Barbosa, mas nega rumores sobre ministério.


O senador Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, afirmou nesta quinta-feira (31) que o ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa vai para a aposentadoria como um ministro "exemplar".

A declaração do tucano se deu após ele ser questionado sobre comentários que circulam em redes sociais dando conta de que ele teria convidado Barbosa, cuja aposentadoria foi publicada hoje, para ser seu ministro da Justiça, caso vença a eleição.  Aécio negou o rumor, disse ter "respeito enorme" por Barbosa e afirmou que eles não têm se falado ultimamente. Seguiram-se, então, os elogios.

"Ele é um homem que honrou imensamente o Judiciário e a democracia brasileira. Hoje sai a sua aposentadoria. Então quero aqui de público reconhecer o papel extremamente importante, exemplar, que teve o ministro Joaquim Barbosa. A Justiça brasileira e a democracia devem muito aos seus exemplos", completou o tucano, que inaugurou comitê de campanha em Belo Horizonte.

Barbosa foi o relator da ação penal 470, que denunciou e puniu os envolvidos no esquema do mensalão do PT. Sua conduta no caso sempre foi elogiada pela oposição e criticada pelo PT. O senador Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, afirmou nesta quinta-feira (31) que o ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa vai para a aposentadoria como um ministro "exemplar".

A declaração do tucano se deu após ele ser questionado sobre comentários que circulam em redes sociais dando conta de que ele teria convidado Barbosa, cuja aposentadoria foi publicada hoje, para ser seu ministro da Justiça, caso vença a eleição. Aécio negou o rumor, disse ter "respeito enorme" por Barbosa e afirmou que eles não têm se falado ultimamente. Seguiram-se, então, os elogios.(FSP)

"Ele é um homem que honrou imensamente o Judiciário e a democracia brasileira. Hoje sai a sua aposentadoria. Então quero aqui de público reconhecer o papel extremamente importante, exemplar, que teve o ministro Joaquim Barbosa. A Justiça brasileira e a democracia devem muito aos seus exemplos", completou o tucano, que inaugurou comitê de campanha em Belo Horizonte. (FSP)